(51) 3012-0812 (51) 98980-3362 (51) 98980-3362

Fale Conosco: (51) 3012-0812

Fale Conosco: (51) 98980-3362

Crédito imobiliário soma R$ 171,8 bi até outubro, mas setor já sofre impacto com a alta dos juros

Ainda que a concessão de crédito esteja em um patamar elevado, com o aumento do custo do financiamento, menos pessoas podem arcar com as prestações mais altas
25/11/2021

De acordo com dados da Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança), o volume de crédito imobiliário para aquisição e construção de imóveis acumulados do mês de janeiro ao mês de outubro acumulou o valor de R$ 171,8 bilhões, com 734 mil unidades financiadas. Esse foi um recorde absoluto desde o início da série histórica. Ao considerarmos os últimos doze meses até outubro, esse número atinge a marca histórica de R$ 203 bilhões. No mês passado, foi alcançada a marca de R$ 17,1 bilhões.

Esse número representa um crescimento de 24% quando comparado ao mesmo período do ano passado, porém apresenta uma baixa de 3,9% quando comparado ao mês de setembro desse ano. A quantidade de unidades financiadas chegou a 71,1 mil, uma queda de 3,7% na comparação com setembro e uma alta de 56% contra o mês de outubro de 2020.

Com a inflação em alta, e o IPCA acumulado de 10,67% nos últimos doze meses, já é possível observar uma desaceleração, em função do aumento dos juros. Ainda que a concessão de crédito esteja em um patamar elevado, com o aumento do custo do financiamento, menos pessoas podem arcar com as prestações mais altas.

Segundo Fred Judice, cofundador e head de Produto, Marketing e Dados da HomeHub, plataforma de tecnologia imobiliária carioca, essa desaceleração não é vista com preocupação.  "Já era esperado um impacto na concessão de crédito imobiliário em razão da alta da taxa de juros e o consequente repasse de parte desta alta para as taxas de financiamento. Com o financiamento mais caro, menos pessoas podem arcar com as prestações mais altas e acabam não conseguindo financiar o imóvel desejado. O que vimos nos últimos dezoito meses foi um boom de crédito e agora veremos o mercado retornando para uma normalidade", diz Judice.

 

Fonte: Valor Investe