(51) 3012-0812 (51) 99664-1370 (51) 99254-3163

Fale Conosco: (51) 3012-0812

Fale Conosco: (51) 99664-1370

TR, IPCA ou poupança: com a Selic em 4,25% ao ano, qual o financiamento imobiliário que vale mais a pena?

Especialistas afirmam que ainda é um bom momento para comprar; simulação ajuda a escolher qual a melhor modalidade para você
30/06/2021

Nesta quarta-feira (16), o Comitê de Política Monetária (Copom) anunciou mais uma elevação da Selic, a taxa básica de juros da economia, de 3,5% ao ano (a.a.) para 4,25% a.a., a terceira alta consecutiva. A subida de juros pede atenção do consumidor que pretende comprar um imóvel financiado nos próximos meses.

Na prática, a variação da Selic está diretamente relacionada aos custos dos empréstimos imobiliários porque as instituições financeiras, responsáveis por ofertar esse tipo de financiamento, costumam repassar essa flutuação da taxa básica de juros às taxas cobradas nos contratos.

Dessa forma, quando a Selic cai, como vimos nos últimos anos, as prestações tendem a se tornar mais suaves, viabilizando a compra de um imóvel para mais pessoas. Por outro lado, o oposto é verdadeiro: quando a Selic as parcelas tendem a ficar mais caras.

Com um ciclo de queda que durou anos, o que se viu em 2020, com a Selic em seu menor patamar histórico (2,0% a.a.), foi um recorde no volume financeiro negociado: cerca de R$ 93,9 bilhões, maior valor para os últimos dez anos, segundo os dados da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip).

E o mercado continua aquecido em 2021. O volume de financiamentos imobiliários deu um novo salto de 107% no primeiro quadrimestre de 2021, na comparação com o mesmo período de 2020. As operações de aquisição de imóveis entre janeiro e abril chegaram ao valor de R$ 49,6 bilhões, com 176,3 mil unidades vendidas, segundo os dados mais recentes da Abecip.

Em março, os especialistas em financiamento avaliavam as taxas como atrativas e consideravam que o momento era de compra de um imóvel. Porém, a decisão do Copom é a terceira seguida na direção de aumento da Selic, e a sinalização é de mais aumentos pela frente.

 

Fonte: Infomoney