(51) 3012-0812 (51) 99664-1370 (51) 99254-3163

Fale Conosco: (51) 3012-0812

Fale Conosco: (51) 99664-1370

Mercado imobiliário: SC possui três das dez cidades com maiores preços médios por venda

Avaliação é segundo o índice FipeZAP, que analisa 50 cidades em todo o país
22/02/2021

Os investidores têm buscado outras opções de aplicações que não sejam atreladas à renda fixa, por conta das quedas nas taxas de juros medidas pela Selic, definidas pelo Banco Central. 

O mercado de capitais e os investimentos imobiliários se mostram como alternativas para aumentar a rentabilidade. Em Santa Catarina, o mercado de imóveis está aquecido, segundo o Índice FipeZap de janeiro, elaborado pela ZAP Imóveis, que acompanha o comportamento do preço médio de venda de imóveis residenciais em 50 cidades do país. O Estado possui três das dez cidades com maiores preços médios de venda.  Balneário Camboriú apresenta o quarto maior valor por m², com R$7.776. Florianópolis aparece em seguida, com R$7.480 e Itapema com R$7.210. Itajaí está em 12º lugar entre as 50, com R$6.459 o m².

O economista Leonardo Alonso Rodrigues aponta que, com as medidas econômicas e retomada da demanda e das atividades, a retomada econômica foi muito forte em relação ao esperado – o que contribuiu para o ramo imobiliário. Os custos subiram muito, faltou matéria-prima, o que impulsionou os preços revelados na pesquisa, também destacando o aumento da oferta de crédito no mercado imobiliário com as baixas taxas de juros.

Na análise dos últimos 12 meses, a variação no preço médio de venda (alta nominal) em  Florianópolis foi de +7,35%; enquanto em Balneário Camboriú de +7,05%; Blumenau de +5,51%; Itajaí de +7,63%; Itapema de +13,65%; Joinville de +4,14% e São José de +7,42%.

O economista Leonardo Alonso Rodrigues aponta que, com as medidas econômicas e retomada da demanda e das atividades, a retomada econômica foi muito forte em relação ao esperado – o que contribuiu para o ramo imobiliário. Os custos subiram muito, faltou matéria-prima, o que impulsionou os preços revelados na pesquisa. O economista também destaca o aumento da oferta de crédito no mercado imobiliário com as baixas taxas de juros.